quinta-feira, 22 de setembro de 2011

A DANÇA COMO EXPRESSÃO DE ADORAÇÃO A DEUS




O tempo modernizou-se e hoje em nossa rotina de cultos temos, além do louvor, uma nova forma de expressão de adoração a Deus: a DANÇA.
Iniciou-se com simples coreografias, acompanhadas com um hino ao fundo, tocado por uma banda ou ao som de um playback, e atualmente evoluiu-se para apresentações de balé, hip-hop, e até mesmo o funk faz parte da liturgia de algumas comunidades evangélicas. Você pode conferir no final do post um vídeo que achei em minhas andanças pelo youtube de um grupo de uma igreja batista, que dança o “ funk gospel “.

Minha intenção neste post não é dar um estudo sobre a dança nas igrejas, tampouco dizer se é ou não é pecado. Apenas quero manifestar uma opinião baseada em leituras bíblicas e em leituras sobre história antiga, conclamando aos leitores do blog para, junto comigo, discutirem acerca desse tema que julgo interessante comentar. Eu já presenciei inúmeras apresentações do gênero, que foram de coreografia à dança propriamente dita. Em algumas delas, pude observar expressões com as mãos, os pés, cabeça, dentro de uma sincronia ímpar, que passavam um real senso de adoração, de entrega a um ser mais forte, mais soberano, mais poderoso...


Em contrapartida, também já presenciei pessoas dispersas, com o intuito de mostrarem seus corpos e seus talentos para a dança, descomprometidas com o real sentido daquela ação que era de adorar a Deus, independente de ser ou não uma forma apropriada de se reverenciar a Deus em um culto, pois estou partindo do princípio de que, se aquele grupo escolheu a dança como manifestação de adoração a Deus, tem de ter reverência e expressão condizente com de alguém que deseja oferecer a Deus tal ato sublime.

Estudando sobre a dança, deparei-me com uma explicação interessante, que  diz que a dança, parte das 3 principais artes cênicas da antiguidade, era usada para reverenciar deuses, sendo no antigo Egito realizada com o nome de “ Dança Astroteológica “ em homenagem a Osíris, deus da mitologia egípcia, ligado à vida no além e à vegetação.
Também li em um artigo que a dança, na antiguidade, era utilizada pelas pessoas como um instrumento de afirmação de sentimentos e experiências subjetivas do homem. Como a relação “ Deus-homem “ , de fato, é uma experiência subjetiva, e por que não dizer pessoal, é plausível interpretar que a dança era ( e pode ser ) usada para manifestar uma vontade... Que vontade eu me refiro ? A vontade de expressar, com movimentos rítmicos, sentimentos de agradecimento, de satisfação, de louvor... Uma infinidade de sentimentos movidos do íntimo do ser, para gratificar a Deus por todas as suas maravilhas. Esse é um ponto observado por mim.

Também existe uma outra linha que se baseia nas tradições judaicas. Existem versículos que relatam expressões de dança pós-vitórias alcançadas, e essa dança era realizada para adorar a Deus.  No final do post dê uma bizoiada em um vídeo de dança judaica, em um  Congresso Israelita, no Paraná. Quem nunca ouviu o argumento “ Davi dançou, então também quero dançar “ ( risos ).
Não podemos esquecer que tanto em Israel como em alguns outros países, a dança é parte intrínseca de seus ritos, o que nos desobriga de utilizá-las em nossos cultos. Porém...

A dança em nossos cultos no Brasil não podem ser consideradas pecaminosas ou serem totalmente desqualificadas, com excessão as de expressão sensual, justamente pela sua função nascedoura ( expressar adoração a uma entidade mística ), dando uma base explicativa para a sua utilização como parte litúrgica no culto. Só que é de fácil entendimento uma análise sobre este ato. Tornar a dança, ou qualquer outro tipo de ritual, como parte do culto usando acontecimentos “ isolados “ na bíblia, é estabelecer conceitos humanísticos, e alguns pastores tratam a dança como doutrina, chamando-a de “ ministério “, sem base bíblica para isso.

Para não ficar só em minhas palavras, aí vai onde está na bíblia um exemplo de dança com fim de adoração: Êxodo 15: 20-21 ( passagem de Miriã ).
O que digo sobre tudo que foi exposto é que a adoração leva a uma expressão que vai além de dogmas e doutrinas impostas e/ou criadas por homens. A alma gera o desejo e o desejo é expresso pelo adorador, e ele escolhe a sua forma de adorar a Deus, e, claro, não precisaria dizer, mas vou dizer, que essa forma de adorar deve ser acompanhada de bom senso, por estar na casa de Deus, cujo lugar é santo.


Divirta-se com o FUNK GOSPEL ( risos ). Até mais.








Nenhum comentário:

Postar um comentário